[CAB] As manifestações de rua e o sentido estratégico de nosso trabalho

A luta popular de rua voltou a fazer parte de nossas vidas, passado um ano e meio de pandemia. Das vidas de quem sempre acreditou na ação direta popular como a que define vencedores e perdedores, a longo prazo. Embora reúnam todo tipo de gente, as manifestações de rua materializam a unidade possível nesse momento. Unidade na rua entre os setores já organizados – sejam eles organizados social e/ou politicamente – , junto com partidos de oposição ao governo, mais aquelas parcelas de trabalhadores com certa tradição de mobilização, junto à diversidade de gente, setores e ideologias à esquerda.

[CAB] 19J: Povo forte na rua contra o Estado genocida!

Vamos às ruas de todo o País neste 19 de Junho reforçando a luta pelo Fora Bolsonaro, mas lutamos para além do fim desse governo! As urgências do nosso povo não serão resolvidas com um simples acerto no andar de cima, muito menos nas próximas eleições. Por isso, é necessário cerrar punhos desde baixo, com combatividade e rebeldia, para fazer balançar as estruturas que sustentam os poderosos!

CAB, 9 anos enraizando o anarquismo!

Completam-se 9 anos do Congresso fundacional da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), realizado entre os dias 09 e 10 de junho de 2012, no Rio de Janeiro. A fundação da CAB é fruto do processo de uma década de Fórum do Anarquismo Organizado (FAO), e de anos de amadurecimento do projeto de construção de uma organização anarquista especifista em todo o território brasileiro.

A concepção de feminismo da Coordenação Anarquista Brasileira

Como mulheres anarquistas especifistas, temos uma concepção de feminismo que procuramos construir em nossa militância cotidiana. Aqui trazemos trechos do texto “Nossa concepção de feminismo na perspectiva do anarquismo organizado”, publicado pela Coordenação Anarquista Brasileira – CAB em 2020.

Quebra de patentes das vacinas: o conhecimento científico não pode ser de propriedade privada!

Com a aceleração do número de mortes e contaminações pela Covid-19 no país, há uma perigosa tendência, devido à urgência da pandemia, de colocarmos de lado diversas questões importantes sobre o desmonte da saúde pública e o avanço da indústria farmacêutica internacional. No esforço para a formulação de nossas políticas, é imprescindível manter vivo o debate sobre a propriedade privada do conhecimento científico para a produção de vacinas. Precisamos falar com mais ênfase sobre a quebra das patentes.

Inadequada é a LGBTQIAP+fobia! Abaixo o PL 504!

Um projeto de lei em discussão na Assembleia Legislativa de São Paulo pretende aprofundar a LGBTQIAP+fobia, estigmatizando a diversidade sexual, e ameaçando os direitos já conquistados pelas lutas populares. Trata-se do PL 504/20, que de forma vaga, proíbe publicidade que contenha alusão à diversidade sexual relacionada às crianças no estado de São Paulo.

São Paulo: Velho PSDB, Bolsonarismo e os limites da Esquerda

A campanha eleitoral na maior cidade do país acontece, por um lado, sob grande desinteresse popular, mas, por outro, com atenção dos poderosos, já que pode influenciar os rumos da política para 2022. As candidaturas com alguma viabilidade oscilam entre o bolsonarismo, o liberalismo do PSDB, a esquerda institucional e uma “terceira via”, que procura se colocar fora da polarização.