[CAB] As manifestações de rua e o sentido estratégico de nosso trabalho

A luta popular de rua voltou a fazer parte de nossas vidas, passado um ano e meio de pandemia. Das vidas de quem sempre acreditou na ação direta popular como a que define vencedores e perdedores, a longo prazo. Embora reúnam todo tipo de gente, as manifestações de rua materializam a unidade possível nesse momento. Unidade na rua entre os setores já organizados – sejam eles organizados social e/ou politicamente – , junto com partidos de oposição ao governo, mais aquelas parcelas de trabalhadores com certa tradição de mobilização, junto à diversidade de gente, setores e ideologias à esquerda.

[CAB] 19J: Povo forte na rua contra o Estado genocida!

Vamos às ruas de todo o País neste 19 de Junho reforçando a luta pelo Fora Bolsonaro, mas lutamos para além do fim desse governo! As urgências do nosso povo não serão resolvidas com um simples acerto no andar de cima, muito menos nas próximas eleições. Por isso, é necessário cerrar punhos desde baixo, com combatividade e rebeldia, para fazer balançar as estruturas que sustentam os poderosos!

A concepção de feminismo da Coordenação Anarquista Brasileira

Como mulheres anarquistas especifistas, temos uma concepção de feminismo que procuramos construir em nossa militância cotidiana. Aqui trazemos trechos do texto “Nossa concepção de feminismo na perspectiva do anarquismo organizado”, publicado pela Coordenação Anarquista Brasileira – CAB em 2020.

[CAB] Chacina de Jacarezinho: Terrorismo de Estado!

O caso escancara o terrorismo de Estado que vitima o povo pobre e negro no Rio de Janeiro e em comunidades de todo o país. No ano passado, 5.660 pessoas foram assassinadas pelas polícias no Brasil. No estado do Rio de Janeiro, 25% das mortes violentas em 2020 tiveram autoria policial. Disfarçada de guerra às drogas, a política genocida se trata de uma guerra aos pobres, que vitima a juventude negra e periférica, e mantém a população dessas comunidades sob constante ameaça.

[CAB] 1º de Maio de Luta e Solidariedade: revolta popular para tomar as riquezas!

Vai transcorrendo mais de um ano em que a pandemia da covid-19 evidencia o estado em que nós, trabalhadoras e trabalhadores, somos submetidos a partir de ataques programados pelos de cima. O soterramento de direitos trabalhistas e o esvaziamento do auxílio emergencial se complementam ao desmantelamento do SUS e à imposição de uma precariedade brutal, que nos afunda em mais miséria, adoecimento e morte. Também completa um ano que levantamos nossas bandeiras pelo 1º de Maio Combativo, reivindicando tomar as riquezas por Vida Digna, em uma data que é memória, mas também representa nossa urgência.