Nota de solidariedade: contra a intimidação a dirigente da Apeoesp Bauru!

Nessa quinta-feira, dia 02, o professor Marcos Chagas, dirigente da Apeoesp subsede Bauru e membro do Coletivo Chão de Giz, foi procurado pela polícia militar em sua casa e em seu local de trabalho para ser responsabilizado como organizador do ato Fora Bolsonaro, marcado para o próximo dia 07. A PM exigiu a mudança da data e do local da manifestação até o meio-dia, caso contrário seria encaminhada uma representação no Ministério Público contra o professor.

[CAB] As manifestações de rua e o sentido estratégico de nosso trabalho

A luta popular de rua voltou a fazer parte de nossas vidas, passado um ano e meio de pandemia. Das vidas de quem sempre acreditou na ação direta popular como a que define vencedores e perdedores, a longo prazo. Embora reúnam todo tipo de gente, as manifestações de rua materializam a unidade possível nesse momento. Unidade na rua entre os setores já organizados – sejam eles organizados social e/ou politicamente – , junto com partidos de oposição ao governo, mais aquelas parcelas de trabalhadores com certa tradição de mobilização, junto à diversidade de gente, setores e ideologias à esquerda.

[CAB] O Congresso e o governo querem entregar os Correios! Lutar contra a privatização!

Enquanto a imprensa e as redes sociais se voltam para a gritaria de Bolsonaro, o Congresso vai passando a boiada, empurrando a pauta dos de cima, de destruição dos direitos do nosso povo. Na última quinta, dia 05, a Câmara aprovou o projeto de lei que privatiza os Correios, em uma votação às pressas.

A Luta de Classes em Bauru

Em Primeiro de Agosto de 1896, nasceu a cidade de Bauru, no centro-oeste paulista. A historiografia burguesa tenta narrar uma história de desenvolvimento, crescimento e expansão, uma história que esconde conflitos, autoritarismo e genocídio.

[CAB] 19J: Povo forte na rua contra o Estado genocida!

Vamos às ruas de todo o País neste 19 de Junho reforçando a luta pelo Fora Bolsonaro, mas lutamos para além do fim desse governo! As urgências do nosso povo não serão resolvidas com um simples acerto no andar de cima, muito menos nas próximas eleições. Por isso, é necessário cerrar punhos desde baixo, com combatividade e rebeldia, para fazer balançar as estruturas que sustentam os poderosos!

A concepção de feminismo da Coordenação Anarquista Brasileira

Como mulheres anarquistas especifistas, temos uma concepção de feminismo que procuramos construir em nossa militância cotidiana. Aqui trazemos trechos do texto “Nossa concepção de feminismo na perspectiva do anarquismo organizado”, publicado pela Coordenação Anarquista Brasileira – CAB em 2020.