Por uma greve de base do funcionalismo contra o Sampaprev 2!

O PLO 07/2021 precisa ser combatido a partir da organização das categorias do funcionalismo municipal. É necessário que construamos a greve geral do funcionalismo público municipal, com a retomada das ruas e ações intensas! A atuação dos comandos regionais, mais uma vez, será fundamental. Somente com democracia de base e protagonismo das trabalhadoras e dos trabalhadores conseguiremos derrotar o Sampaprev 2.

Nota de solidariedade: contra a intimidação a dirigente da Apeoesp Bauru!

Nessa quinta-feira, dia 02, o professor Marcos Chagas, dirigente da Apeoesp subsede Bauru e membro do Coletivo Chão de Giz, foi procurado pela polícia militar em sua casa e em seu local de trabalho para ser responsabilizado como organizador do ato Fora Bolsonaro, marcado para o próximo dia 07. A PM exigiu a mudança da data e do local da manifestação até o meio-dia, caso contrário seria encaminhada uma representação no Ministério Público contra o professor.

[Internacional] 52 anos das Revoltas de Stonewall: Igualdade e liberdade não se discutem!

Em 28 de Junho de 1969, a polícia chegou ao Stonewall Inn, em Nova Iorque. Este bar é conhecido nas comunidades gay, lésbica, bi e trans por acolher até as pessoas mais marginalizadas. Como de costume, a polícia estraga a festa. Mas a resposta não demorou para chegar: vários milhares de pessoas – gays, transexuais e drags – confrontaram a polícia durante toda a noite. Nesse mesmo dia e durante cinco noites depois disso, toda uma comunidade se levantou contra a injustiça e a crueldade policial.

[CAB] 19J: Povo forte na rua contra o Estado genocida!

Vamos às ruas de todo o País neste 19 de Junho reforçando a luta pelo Fora Bolsonaro, mas lutamos para além do fim desse governo! As urgências do nosso povo não serão resolvidas com um simples acerto no andar de cima, muito menos nas próximas eleições. Por isso, é necessário cerrar punhos desde baixo, com combatividade e rebeldia, para fazer balançar as estruturas que sustentam os poderosos!

CAB, 9 anos enraizando o anarquismo!

Completam-se 9 anos do Congresso fundacional da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), realizado entre os dias 09 e 10 de junho de 2012, no Rio de Janeiro. A fundação da CAB é fruto do processo de uma década de Fórum do Anarquismo Organizado (FAO), e de anos de amadurecimento do projeto de construção de uma organização anarquista especifista em todo o território brasileiro.

[CAB] Chacina de Jacarezinho: Terrorismo de Estado!

O caso escancara o terrorismo de Estado que vitima o povo pobre e negro no Rio de Janeiro e em comunidades de todo o país. No ano passado, 5.660 pessoas foram assassinadas pelas polícias no Brasil. No estado do Rio de Janeiro, 25% das mortes violentas em 2020 tiveram autoria policial. Disfarçada de guerra às drogas, a política genocida se trata de uma guerra aos pobres, que vitima a juventude negra e periférica, e mantém a população dessas comunidades sob constante ameaça.

[CAB] 1º de Maio de Luta e Solidariedade: revolta popular para tomar as riquezas!

Vai transcorrendo mais de um ano em que a pandemia da covid-19 evidencia o estado em que nós, trabalhadoras e trabalhadores, somos submetidos a partir de ataques programados pelos de cima. O soterramento de direitos trabalhistas e o esvaziamento do auxílio emergencial se complementam ao desmantelamento do SUS e à imposição de uma precariedade brutal, que nos afunda em mais miséria, adoecimento e morte. Também completa um ano que levantamos nossas bandeiras pelo 1º de Maio Combativo, reivindicando tomar as riquezas por Vida Digna, em uma data que é memória, mas também representa nossa urgência.

Inadequada é a LGBTQIAP+fobia! Abaixo o PL 504!

Um projeto de lei em discussão na Assembleia Legislativa de São Paulo pretende aprofundar a LGBTQIAP+fobia, estigmatizando a diversidade sexual, e ameaçando os direitos já conquistados pelas lutas populares. Trata-se do PL 504/20, que de forma vaga, proíbe publicidade que contenha alusão à diversidade sexual relacionada às crianças no estado de São Paulo.

[CAB] Militares assassinos, ontem e hoje! Não esquecer, jamais perdoar!

Completam-se 57 anos do golpe militar de 1964, que colocou o país em uma longa noite de 21 anos, com reflexos nefastos em todos os setores da sociedade. Mas a transição democrática negociada e pactuada pelos próprios militares não os tirou da cena política, nem das estruturas do Estado. O reflexo disso fica evidente no governo Bolsonaro, onde as Forças Armadas ganharam grande espaço nos ministérios, com militares da ativa. A maior tragédia aconteceu na Saúde, sob o general Pazuello, que contribuiu para a morte de mais de 310 mil pessoas até aqui, levando em conta apenas os números oficiais, um verdadeiro genocídio de nosso povo.