A Luta de Classes em Bauru

Em Primeiro de Agosto de 1896, nasceu a cidade de Bauru, no centro-oeste paulista. A historiografia burguesa tenta narrar uma história de desenvolvimento, crescimento e expansão, uma história que esconde conflitos, autoritarismo e genocídio.

104 anos do assassinato do sapateiro Martinez. Viva a Greve de 1917!

Lembramos o 9 de Julho não como a data de uma guerra dirigida pelas elites, como marca o calendário oficial do estado de São Paulo, mas como uma data de luta das classes oprimidas contra a exploração dos patrões e a brutalidade da repressão estatal. Em 9 de Julho de 1917, o sapateiro anarquista José Ineguez Martinez, do grupo Jovens Incansáveis, era assassinado pela polícia em uma manifestação que exigia condições dignas de trabalho. A resposta ao crime foi uma mobilização ainda maior da classe trabalhadora, na maior greve geral que esse país já viu.

CAB, 9 anos enraizando o anarquismo!

Completam-se 9 anos do Congresso fundacional da Coordenação Anarquista Brasileira (CAB), realizado entre os dias 09 e 10 de junho de 2012, no Rio de Janeiro. A fundação da CAB é fruto do processo de uma década de Fórum do Anarquismo Organizado (FAO), e de anos de amadurecimento do projeto de construção de uma organização anarquista especifista em todo o território brasileiro.

[CAB] Militares assassinos, ontem e hoje! Não esquecer, jamais perdoar!

Completam-se 57 anos do golpe militar de 1964, que colocou o país em uma longa noite de 21 anos, com reflexos nefastos em todos os setores da sociedade. Mas a transição democrática negociada e pactuada pelos próprios militares não os tirou da cena política, nem das estruturas do Estado. O reflexo disso fica evidente no governo Bolsonaro, onde as Forças Armadas ganharam grande espaço nos ministérios, com militares da ativa. A maior tragédia aconteceu na Saúde, sob o general Pazuello, que contribuiu para a morte de mais de 310 mil pessoas até aqui, levando em conta apenas os números oficiais, um verdadeiro genocídio de nosso povo.

[CAB] 86 anos da Batalha da Sé

Há exatos 86 anos, no dia 7 de outubro de 1934, a classe operária paulistana enfrentou o fascismo de punho fechado e de cabeça erguida. No episódio que ficou conhecido como a “Batalha da Sé” ou a “Revoada dos galinhas-verdes”, os trabalhadores organizados, encabeçados principalmente pela Federação Operária de São Paulo (FOSP), botaram para correr debaixo de tiros e de muita porrada os integralistas liderados por Plínio Salgado.