Greve na educação paulista!

Em assembleia nessa sexta-feira, dia 05, as professoras e professoras do estado de SP declararam GREVE a partir da segunda-feira, dia 08. A categoria se opõe ao retorno das aulas em plena pandemia, entendendo como um risco de aumento na proliferação de casos de Covid-19, colocando a vida de professores/as, funcionários/as, alunos/as e suas famílias.

Solidariedade a Carolina Iara, vítima de atentado em São Paulo

A Organização Anarquista Socialismo Libertário se solidariza à militante Carolina Iara, que sofreu um atentado na madrugada de quarta-feira, dia 27, em São Paulo. Pelo menos dois tiros foram disparados para dentro da casa de Carolina, às vésperas do 29 de janeiro, Dia da Visibilidade Trans. Imagens de câmera de segurança mostram que um carro branco ficou estacionado por três minutos em frente à residência.

O interior paulista caminha para o colapso da saúde!

Os casos de Covid-19 explodiram no interior de São Paulo, forçando muitas regiões a recuarem para a fase vermelha da quarentena. Em diversos municípios, a ocupação de UTIs se aproxima do limite, passando de 90% dos leitos ocupados, às vezes chegando a 100%.

Liberdade imediata para Igo Ngo e Felipinho! Basta de Racismo!

No último final de semana, Igo Ngo e Felipinho foram presos acusados de um roubo que aconteceu na região de Pinheiros. Os dois amigos estavam na região do Largo da Batata comendo yakisoba dos ambulantes que sempre estão por ali, num passeio que sempre costumam fazer. Ao terminarem, voltaram para casa de condução que sai da estação Pinheiros. Já na altura do Campo Limpo, o ônibus foi interceptado pela polícia, que mandou os dois e mais alguns passageiros descerem, e os dois foram presos por supostamente terem as características dos suspeitos indicados pela vítima e testemunhas. Não tiveram sequer direito a serem devidamente ouvidos.

Como votam as e os anarquistas?

Há um século e meio, nós, anarquistas, denunciamos a farsa do processo eleitoral em meio à miséria e às diversas formas de dominação. Nossa militância defende e atua no fortalecimento dos movimentos populares, na construção das lutas a partir de baixo, de forma cotidiana, no caminho de uma ruptura com esse sistema opressivo.