A Luta de Classes em Bauru

Em Primeiro de Agosto de 1896, nasceu a cidade de Bauru, no centro-oeste paulista. A historiografia burguesa tenta narrar uma história de desenvolvimento, crescimento e expansão, uma história que esconde conflitos, autoritarismo e genocídio.

104 anos do assassinato do sapateiro Martinez. Viva a Greve de 1917!

Lembramos o 9 de Julho não como a data de uma guerra dirigida pelas elites, como marca o calendário oficial do estado de São Paulo, mas como uma data de luta das classes oprimidas contra a exploração dos patrões e a brutalidade da repressão estatal. Em 9 de Julho de 1917, o sapateiro anarquista José Ineguez Martinez, do grupo Jovens Incansáveis, era assassinado pela polícia em uma manifestação que exigia condições dignas de trabalho. A resposta ao crime foi uma mobilização ainda maior da classe trabalhadora, na maior greve geral que esse país já viu.

[Internacional] 52 anos das Revoltas de Stonewall: Igualdade e liberdade não se discutem!

Em 28 de Junho de 1969, a polícia chegou ao Stonewall Inn, em Nova Iorque. Este bar é conhecido nas comunidades gay, lésbica, bi e trans por acolher até as pessoas mais marginalizadas. Como de costume, a polícia estraga a festa. Mas a resposta não demorou para chegar: vários milhares de pessoas – gays, transexuais e drags – confrontaram a polícia durante toda a noite. Nesse mesmo dia e durante cinco noites depois disso, toda uma comunidade se levantou contra a injustiça e a crueldade policial.

Quebrada contra o Bolsonaro!

Estivemos neste sábado no ato organizado pelo Mandela Free – São Rafael na comunidade de São Rafael, em Guarulhos, contra as políticas de extermínio, fome e desemprego dos governos Bolsonaro, Dória e Guti. Também participou a Rede de Proteção e Resistência Contra o Genocídio, além de outras organizações políticas e coletivos.

[CAB] 19J: Povo forte na rua contra o Estado genocida!

Vamos às ruas de todo o País neste 19 de Junho reforçando a luta pelo Fora Bolsonaro, mas lutamos para além do fim desse governo! As urgências do nosso povo não serão resolvidas com um simples acerto no andar de cima, muito menos nas próximas eleições. Por isso, é necessário cerrar punhos desde baixo, com combatividade e rebeldia, para fazer balançar as estruturas que sustentam os poderosos!